Castelos de Areia

E todas as noites ela ia dormir com os olhos cheios de lágrimas que continham palavras que nunca seriam ditas. E aquela dor no peito a consumia a cada dia mais, como se toda a sua força fosse sendo retirada. Ficava difícil se manter acordada e ter que lidar com a realidade. Não porque aconteceu alguma coisa. Mas porque não aconteceu coisa alguma. De repente, ela começou a aceitar a ideia de que não era feliz há muito tempo. Desde aquele último telefonema que não foi feito. Ou aquele pedido de desculpas que ficou pra depois. Ou aquele sonho que nunca foi realizado. Coisas importantes da vida que foram sendo deixadas para trás sem que ela percebesse ou pudesse lutar contra. E estava perdida. Totalmente perdida. Qual é o seu sabor de sorvete preferido?

Caminhar em ruas que estava acostumada parecia uma atividade totalmente difícil. Andar pelo vazio, por onde nada acontece. Famílias sendo desfeitas, vidas sendo roubadas, pessoas mentindo o tempo todo. Lidar com a hipocrisia do mundo não é uma coisa que deveríamos ter que fazer sozinhos. Fica difícil ver as coisas quando se está sozinho. Principalmente, quando seu coração não sabe onde realmente está. Quem sabe não ficou no passado? Ou ali na esquina? Ou então no futuro incerto de alguém que só quer curtir. Palavras de incerteza proferidas com a maior dificuldade do mundo.

Ela sentia que sua vida tinha sido construída toda em um castelo de areia e de repente, veio uma onda e levou tudo embora. O que sobrou foi a mancha de que ali existiu algo num passado distante. Vai ver é disso que se trata a vida. Castelos de areia. Coisas lindas que construímos com a maior dificuldade são levadas de nós sem a menor consideração. Sem a menor consciência. Desapego. Recomeços. Traição. Mentiras e verdades que fazem parte de algo que talvez nunca existiu. Momentos que pareciam reais se tornam sonhos num piscar de olhos. Talvez aquele pesadelo que você teve com cobras e meteoros não pareça tão ruim comparado à vida real. Duvido que exista alguém que nunca dormiu só pra sonhar. Pra fugir. Runaway.

Ela sabia que tudo ainda podia dar errado. Podia piorar. E as lágrimas que continham sonhos que nunca seriam realizados insistiam em cair. Noite e dia. Dia e noite. Respirar era quase uma obrigação. Tarefas pendentes ficaram para o dia depois de amanhã que nunca chegou. E o coração de tanto chorar se converteu em gelo. E talvez assim, ela deixaria de sofrer tanto. Ela queria gritar pro mundo todo ouvir que castelos de areia sempre são derrubados. Você pode chegar e fazer outro no lugar, mas nunca conseguirá esquecer o que antes ali existiu. E todas as palavras do passado, na verdade, são presente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: